22 de março de 2018

#Inspiração

Visitamos o 8º Fórum Mundial da Água

Na semana do Dia Mundial da Água acontece em Brasília o 8º Fórum Mundial da Água, de 17 a 23 de março. O evento é o mais importante sobre o assunto no mundo e reúne representantes de mais de 170 países, entre cientistas, governantes, parlamentares, juízes, pesquisadores e sociedade civil. Durante o Fórum, acontecem palestras, debates, a Feira, a Expo e a Vila Cidadã com as mais diversas atividades para todos os tipos de público. Confira a programação completa aqui.

Nos debates ouve-se muito sobre tecnologia da informação – das mais simples, usadas em áreas rurais da Índia, por exemplo, às mais complexas, como o sistema de monitoramento via satélite da qualidade da água em rios brasileiros.

Centro de Convenções Ulysses Guimarães. Foto: Sergio Amaral/8º FMA

Entre as atividades parlamentares, foi anunciada pelo ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho a criação de 4 novas Unidades de Conservação nos Arquipélagos São Pedro e São Paulo e Trindade e Martim-Vaz para proteger santuários da vida marinha. São mais de 11 milhões de hectares destinados à Proteção Integral, livres da pesca e da mineração, e outros 80 milhões de hectares a serem postos sob regime de uso sustentável, representando a proteção de 25% dos oceanos brasileiros.

Outro grande destaque do Fórum foi o lançamento do Relatório Mundial das Nações Unidas sobre Desenvolvimento dos Recursos Hídricos. O documento defende que canais de irrigação, estações de tratamento de água e reservatórios não sejam as únicas ferramentas de gestão de água disponíveis.

A Unesco recomenda a infraestrutura verde, ou seja, priorizar a natureza na tomada de decisões

Isso significa que é preciso investir na natureza para reduzir riscos de desastres e melhorar a segurança hídrica, por exemplo. Uma das grandes críticas é que hoje se usam muitas “tecnologias cinzas”, como barragens e cisternas, no lugar de escolhes “verdes”.

O relatório cita o exemplo do Rajastão, na Índia, que passou por uma das piores secas da história em 1986. Depois da catástrofe, as comunidades locais estabeleceram estruturas de coleta de água e regeneração do solo e florestas, aumentando em 30% a cobertura florestal, além de contribuir com os níveis das águas subterrâneas e a produtividade das terras de cultivo. É o que o pessoal da Green Nation, presente no Fórum com uma área de experiências lúdicas na Vilã Cidadã, chama de “plantar água”.

O Green Nation é um movimento brasileiro que une experimentação, sensorialidade, interatividade, entretenimento e inovação para dialogar com a sociedade sobre as mudanças necessárias para um futuro melhor. Além das instalações, haverá oficinas, festival multimídia, mostra de cinema e contação de histórias. Os visitantes também podem adotar uma mudinha nativa da Mata Atlântica para contribuir com o “plantio de água”.

Vila Cidadã. Foto: Cleudson Fernandes/8º FMA

Na instalação do Submarino, o público pode imergir ao fundo do mar para ter contato com a fauna e a flora marinha, que sofrem com poluição e pescas predatórias através de uma experiência em realidade virtual.

Outra oportunidade de interagir com realidade virtual, a Asa Delta foi um dos grandes sucessos do espaço. Os visitantes viajam a lugares no Brasil em que a água é protagonista no transporte, na alimentação, na geração de energia elétrica.

Na Estação Antártica, o público também conhecerá como é a vida no frio extremo, o laboratório e a moradia dos cientistas no continente gelado. Na Sabores e Sentidos, haverá degustação de diferentes sucos e lições sobre embalagens em um stand todo construído com material reciclado.

E falando em embalagens, uma das instalações conta com a ajuda dos visitantes para tirar o lixo do mar. Os caminhos da reciclagem e as oportunidades para o reaproveitamento do plástico são o foco da instalação PET Vira PET, que mostra a importância e a relação da reciclagem com a economia de água e a redução do lixo no planeta.

Ajudando a limpar os oceanos! Foto: Sergio Amaral/8º FMA

Instalação Asa Delta. Foto: Jorge Cardoso/8º FMA

Esta é a primeira vez que o Fórum Mundial da Água acontece no Hemisfério Sul. Durante os três primeiros dias, cerca de 56 mil pessoas já passaram pelo local, segundo os organizadores. A expectativa é receber 80 mil visitantes até o último dia do Fórum, sexta (23). Saiba mais sobre o Fórum clicando aqui.

 

Curta o projeto no Facebook